terça-feira, 24 de maio de 2016

[RESENHA] O CÉU É LOGO ALI


Lilian Farias
Ano: 2011 / Páginas: 126
Idioma: português
Editora: Literata

Sinopse: "O céu é logo ali representa a liberdade que são as borboletas e nos pássaros. Dolores e Clarice são mulheres que buscam tal liberdade. Dolores é uma mulher de muitas experiências; de vida simples e sem amigos. O único amigo que possui é esquizofrênico e a trata com muito carinho. Clarice é cheia de mimos e sempre teve de tudo, mas o que as liga são suas tribulações de sentimentos e busca por liberdade. Dolores fica encantada com o mais simples dos gestos, um pingo de chuva sobre a pele faz dela a pessoa mais feliz e livre do mundo. Já Clarice tem a vida dos sonhos, porém o destino pode destruí-lo com rapidez. O livro da Lilian é profundo e tocante. Ele nos mostra que devemos aproveitar o momento porque tudo pode acabar em um piscar de olhos." (Fernanda Bezerra)
"Ao adentrarmos nos mundos distintos dessas duas jovens, mergulhamos numa profusa miscigenação de anseios, lutas, estratégias de sobrevivência. A história de duas mulheres que, unidas pelo destino, resolvem aflorar todo fluxo de sobrevivência do "ser", do corpo, da alma, da mente, que advém quando se é permitido ser livre. Liberdade, essa, assemelhada a quem saboreia o voo das borboletas." (Valéria Sabrina)




Primeiramente, devo falar que eu demorei a concluir a leitura, não pelo livro ser ruim, pelo contrário, ele é muito bom. Mas como é uma leitura diferente do que estou acostumada, o começo da leitura foi lenta, como falei, depois disso fluiu rapidamente. 
O livro fala sobre duas mulheres totalmente diferentes, mais que no fundo são iguais, são iguais na procura da liberdade.
Dolores é uma mulher já vivida, mas sem amigos, que vive sozinha, despida de certo glamour fisicamente.
Já Clarice é uma jovem alegre, mimada e amada por todos.
Só que num determinado ponto,a vida dessas duas mulheres muda.
Dolores passa por uma mudança por fora e por dentro, se descobrindo uma mulher forte, cheia de sonhos e também conhece um misterioso homem, que muda sua vida.
Na vida de Clarice, a mudança é mais trágica. Ela e seu namorado, Luis, sofrem um grave acidente, onde ele vem a falecer e ela passa a viver num estado quase vegetativo, perdendo sua alegria e sonhos.
Ao logo da leitura, achei alguns pontos difíceis de entender, mas quando cheguei ao final entendi o porquê, não vou falar aqui, para não dar spoilers, leiam que vocês vão entender.
Percebemos que inveteram os papeis, antes Clarice uma jovem alegre e cheia de vida, passa a ser apenas uma sombra do que era, já Dolores com uma passado triste, passa a ser uma mulher com objetivos, correndo atrás dos seus sonhos.
Uma das coisas que mais gostei do livro, foi que a autora usou a simbologia da borboleta, que quando a borboleta é apenas um casulo, é um ser de aspecto feio, sem graça, mais que quando nasce a borboleta, nasce um ser belo, com todo o seu esplendor. O que a autora quis dizer usando essa simbologia, é que enquanto estamos no nosso casulo, perdemos todo o brilho da vida, mais que quando saímos do casulo, viramos uma linda borboleta, podendo correr atrás dos sonhos e desejos. E no livro as duas personagens estão nesse casulo e só quando adquirirem a liberdade da alma, se transformarão em uma linda borboleta.
Para concluir, quero agradecer a autora pela oportunidade de ler o livro e pela oportunidade ampliar os meus os conhecimentos com uma leitura diferente do meu habitual.
Para concluir, quero agradecer a autora pela oportunidade de ler o livro e pela oportunidade ampliar os meus os conhecimentos com uma leitura diferente do meu habitual. 
Página do livro: https://goo.gl/r7GNmI
Página da autora: https://goo.gl/MMkbSy

Nenhum comentário:

Postar um comentário

COMENTEM FRIENDS

Seja Bem Vind@.
{Cena do filme Conquista Sangrenta, com Rutger Hauer e Jennifer J. Leigh}